terça-feira, 10 de novembro de 2009

de que vale teres a lua e o céu inteiro para voar se não tens ninguém a quem te puder dar





Longe daqui,
Tens um segredo guardado,
Para abrir,
Num lugar mais desejado,
Num lugar onde possas saber,
Que por ser segredo não podes dizer;

Serás tu a sombra que olhas no chão,
Serás a promessa que trazes na mão,
De que serve o teu disfrace e o teu secreto olhar,
Se não tens ninguém a quem te revelar,
Serás o silêncio ou um sonho desfeito,
Será teu o grito que arrancas do peito,
De que vale teres a Lua e o Céu inteiro para voar,
Se não tens ninguém a quem te puder dar;

Longe daqui,
Tens um desejo fechado,
Para abrir
Num lugar mais arejado,
Num lugar onde possas saber,
O que há já muito tempo ficou por dizer;

Serás tu a sombra que olhas no chão,
Serás a promessa que trazes na mão,
De que serve o teu disfrace e o teu secreto olhar,
Se não tens ninguém a quem te revelar,
Serás o silêncio ou um sonho desfeito,
Será teu o grito que arrancas do peito,
De que vale teres a Lua e o Céu inteiro para voar,
Se não tens ninguém a quem te puder dar;

Fixaste o teu olhar no meu,
Ficaste longe daqui,
Tu estás longe de ti,
Tão longe de nós,
Corres para te salvar,
Noutro lugar;

Serás tu a sombra que olhas no chão,
Serás a promessa que trazes na mão,
De que serve o teu disfrace e o teu secreto olhar,
Se não tens ninguém a quem te revelar,
Serás o silêncio ou um sonho desfeito,
Será teu o grito que arrancas do peito,
De que vale teres a Lua e o Céu inteiro para voar,
Se não tens ninguém a quem te puder dar;

9 comentários:

  1. Esta música é linda. Aliás, todo o CD. Adoro!!!! E grandes letras também .

    ResponderEliminar
  2. ASSALTO

    Na feira, a gorda senhora protestou a altos brados contra o preço do chuchu:

    -Isto é um assalto!

    Houve um rebuliço. Os que estabam perto fugiram. Alguém, correndo, foi chamar a guarda. Um minuto depois, a rua inteira, atravancada, mas provida de admirável serviço de comunicaçäo espontânea, sabia que se estava perpetando um assalto ao banco. Mas que banco? Havia banco naquela rua?Evidente que sim, pois do contrário como poderia ser assaltado?

    -Um assalto! Um assalto!- a senhora continuava a exclamar, e quem näo tinha escutado, escutou, multiplicando a notícia. Aquela voz surgindo do mar de barracas e legumes era como apropria sirena policial, documentando, por seu uivo, a ocorrência grave, que fatalmente se estaria consumando ali, na claridade do dia, sem que ninguém pudesse evitá-la.

    Moleques de carrinho corrian em todas direçoës, atropelando-se uns aos outros. Queriam salvar as mercadorias que transportavam. Näo era o instinto de propriedade que os impelia. Sentiam-se responsáveis pelo transporte. E no atropelo da fuga, pacotes rasgavam-se, melancias rolavam, tomates esborachavam-se no asfalto. Se a fruta cai no chäo, já näo é de ninguém; é de qualquer um, inclusive do transportador. Em ocasiöes de assalto, quem é vai reclamar uma penca de bananas meio amassadas?

    -Olha o assalto! Tem um assalto ali adiante!

    O ônibus na rua transversal parou para assuntar. Passageiros ergueram-se, puseram o nariz para fora. Näo se via nada. O motorista desceu, desceu o cobrador, um passageiro advertiu:

    -No que você vai a fim de ver assalto, eles assaltam sua caixa.

    Ele nem escutou. Entäo os passageiros também acharam de bom alvitre abandonar o veículo, na ânsia de saber, que vem movendo o homen, desde a idade da pedra até a idade do módulo lunar.

    Outros ônibus pararam, a rua entupiu.

    - Melhor. Todas as ruas estavam bloqueadas. Assim eles náo podem dar no pé.

    - É uma mulher que chefia o bando!

    - Já sei. A tal dondoca loura.

    - A loura assalta em Säo Paulo. Aquí é a morena.

    - Uma gorda. Está de metralhadora. Eu vi.

    - Minha Nossa Senhora, o mundo está virado!

    - Vai ver que está caçando é marido.

    - Näo brinca numa hora dessas. Olha aí sangue escorrendo!

    - Sangue nada, tomate.

    Na confusáo, circularam notícias diversas. O assalto fora a uma joalheria, as vitrines tinham sido esmigalhadas a bala. E havia jóias pelo chäo, braceletes, relógios. O que os bandidos näo levaram, na pressa, era agora objeto de saque popular. Morreram no mínimo duas pessoas, e três estavam gravemente feridas.barracas derrubadas assinalavam o ímpeto da convulsäo coletiva. Era preciso abrir caminho a todo custo. No rumo de assalto, para ver, e no rumo contrário, para escapar. Os grupos divergentes chocavam-se, e às vezes mudavam de direçäo: quem fugia dava marcha à ré, quem queria espiar era arrastrado pela massa oposta. Os edificios de apartamentos tinham fechado suas portas, logo que o primeiro foi invadido por pessoas que pretendiam, ao mesmo tempo, salvar o pêlo e contemplar lá de cima. Janelas e balcöes apinhados de moradores, que gritavam:

    - Pega! Pega! Correu para lá!

    - Olha ele ali!

    - Eles entraram na kombi ali adiante!

    - É um masacarado! Náo, säo dois mascarados!

    Ouviu-se nitidamente o pipocar de uma metralhadora, a pequena distância. Foi um deitar-no-chäo geral, e como näo havia espaço, uns caíam por cima dos outros. Cessou o ruído. Voltou. Que assalto era esse, dilatado no tempo, repetido, confuso?

    - Olha o diabo daquele escurinho tocando matraca! E a gente com dor-de-barriga, pensando que era metralhadora!

    Cairam em cima do garoto, que desapareceu na multidäo. A senhora gorda apareceu, muito vermelha, protestando sempre:

    - É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto!

    Carlos Drummond de Andrade

    ResponderEliminar
  3. Excelente Carlos (melhor que classificados).

    ResponderEliminar
  4. já agora outro do Carlos:
    A minha vontade é forte, mas a minha disposição de obedecer-lhe é fraca.

    ResponderEliminar
  5. Porque um dia tive uma remela
    De lá longe me diziam, com alarde fumegante
    C’o orvalho tem o seu ditado
    Si a noite não querendo
    o dia não tem que ser nem lamparina.
    Rezava a velha e insistia eu:
    Abençoada remela!

    ResponderEliminar
  6. Não tendo o ritmo
    Das águas caindo
    No convento d’odivelas
    nem alcançando com as mãos
    um altar para adorar
    Cristo naquela hora
    desfalecido
    mas sabendo que estavas perto
    despertou o meu coração.
    se foi pecado?
    juraria que não!
    Enquanto te beijava, Não!
    Não, enquanto te beijava!
    De todo modo falta-me a convicção!

    Jonas

    ResponderEliminar

Who's linking to you?

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!